O mustachianismo e o movimento FIRE

Como esclarecemos no post anterior, o movimento FIRE (Financial Independence/Retire Early) engloba inúmeras linhas de pensamento e estratégias para atingir a independência financeira. Algumas das estratégias de investimento mais comuns são a indexação (ETF ou fundos de índices), “stock picking” e imóveis de aluguel, por exemplo. Enquanto uns adotam a regra dos 4% como referência de taxa de retirada, outros focam em dividendos. Uns buscam “terceirizar sua vida” o máximo possível (Tim Ferris), outros o mínimo possível (Jacob Fisker). Tem gente que se identifica com minimalismo, essencialismo, estoicismo, mustachianismo, etc. As variações e possibilidades FIRE são enormes, e não há certo ou errado. Apenas aquilo que é mais adequado ao seu perfil de investidor, valores, objetivos e preferências pessoais.

Mas hoje vamos explorar algumas peculiaridades de uma vertente que tem ganhado tanta popularidade no universo FIRE, que o criador brinca que acidentalmente criou uma “religião”:

o “Mustachianismo”.

Se você já ouviu falar do movimento FIRE, provavelmente já deve ter ouvido falar do famoso Mr. Money Mustache (MMM). Peter Adeney se aposentou nos EUA em 2005 aos 30 anos após uma curta carreira de 10 anos como engenheiro de software. Em 2011 ele começou um blog sob o pseudônimo de Mr. Money Mustache, e introduziu o conceito de “mustachianismo”.

A origem etimológica do termo “mustachianismo” é bem profunda.

Brincadeira, não é não… rsrs.

Ela vem de um “jogo de palavras” que MMM fez com a palavra “mustache” (bigode), fazendo referência à expressão em inglês “must-stash” (necessidade de poupar); ou seja, em uma tradução grotescamente literal, teríamos algo próximo de “necessidade-de-poupar-ismo” que ganhou o apelido carinhoso de “bigode-ismo”.

Pois é…😂

Entretanto, o blog acabou explodindo em popularidade e os leitores que se identificavam com suas ideias, estratégias, valores e forma de enxergar o mundo passaram a se reconhecer como mustachianos. E assim surgiu, de uma brincadeira inocente do MMM, o mustachianismo como uma comunidade real.

Os assuntos abordados no blog geralmente incluem independência financeira, aposentadoria antecipada, vida simples, frugalidade, anticonsumismo, custo de possuir um automóvel, uso de bicicleta como meio de transporte, “faça-você-mesmo”, investimentos, dívidas, filosofia de vida, felicidade, ambientalismo, entre outros.

Segue uma lista com alguns posts populares pra você praticar o seu inglês.

Getting Rich: from Zero to Hero in One Blog Post

The Shockingly Simple Math Behind Early Retirement

The 4% Rule: The Easy Answer to “How Much Do I Need for Retirement?”

Killing your $1000 Grocery Bill

What is Stoicism and How Can it Turn your Life to Solid Gold?

Happiness is the Only Logical Pursuit

The Practical Benefits of Outrageous Optimism

Como nem todo o brasileiro tem a facilidade em consumir conteúdo em inglês, essa é uma tentativa de dar uma “pincelada” nos principais pontos do mustachianismo.

Portanto, após ler quase todos os posts do seu blog e ouvir suas entrevistas nos podcasts “The Tim Ferris Show” (episódio 475), “Choose FI” (episódio 131) e “Financial Independence Podcast” (episódio 1), seguem algumas das ideias mustachianas que mais se destacaram para mim.

O “mustachiano raiz” entende que existe um elemento de insanidade no consumismo atual (segundo MMM, sofremos de “consumerism spectrum disorder“). Ou seja, as pessoas estão se comportando de maneira totalmente irracional, e sabotando sua própria capacidade de desfrutar de uma boa vida. E, por consumir muito mais do que precisam, estão destruindo o planeta e sendo obrigadas a trabalhar por muito mais tempo (sem obter nenhum benefício real com isso).

Estamos conduzindo nossas vidas de maneira muito ineficiente. Portanto, a “correção mustachiana” seria buscar eficiência em todos os aspectos da vida e certificar-se de que as coisas que você consome realmente estão trazendo algum benefício.

Essa busca mustachiana por eficiência transcende à dimensão financeira. Ao priorizar o uso da bicicleta como meio de transporte, por exemplo, MMM diz que o faz pois percebeu que essa é a escolha que o deixa mais feliz. Pedalar o deixa mais saudável, é divertido, é mais rápido que carro em distâncias menores e/ou trânsito pesado, e tem um impacto ambiental menor (e, por coincidência, também é a opção de transporte mais barata).

Ele percebeu que, ao buscar a eficiência em tudo, acabamos nos tornando pessoas mais saudáveis, felizes, ricas e com a opção de nos aposentarmos décadas antes da idade clássica de 65 anos.

O conceito de frugalidade mustachiana não é extremo. Pelo contrário, a ideia é encontrar o consumo máximo possível que ainda permita a pessoa obter algum “benefício real”. Em outras palavras, a proposta é ajustar os gastos para o retorno máximo de felicidade. MMM brinca que no departamento “diversão” ele não é “minimalista”, mas um “maximalista”.

Entretanto, diz que é um engano achar que “mais consumo” sempre equivale a “mais felicidade”. “Mais consumo” geralmente implica em “mais felicidade” quando “remove algo negativo” da nossa vida (fome, frio, não ter onde morar, não ter um meio de transporte, etc.). Porém, quando “mais consumo” apenas “adiciona algo positivo” (substituir um carro totalmente funcional por um mais luxuoso, por exemplo) o efeito de felicidade é efêmero e o “resultado líquido” tende a ser negativo. Pois a pessoa vai ter que vender mais horas de sua vida para pagar por algo que não precisava e sequer vai trazer felicidade duradoura, graças à adaptação hedônica.

MMM está sempre praticando o “esporte” de analisar cada decisão (financeira ou não) e seus efeitos positivos e negativos sob a ótica da “otimização da felicidade”. E, segundo ele, essa espécie de “gamificação” pode ser aplicada em qualquer categoria como, por exemplo, alimentação, moradia, transporte, vestimenta, viagem, exercícios, etc.

O conselho que ele dá para quem é iniciante no “esporte da otimização” é começar pelas categorias que estão lhe custando mais dinheiro (mais fáceis de encontrar ineficiências e otimizá-las). Uma vez que você começa a perceber os benefícios da otimização, é difícil não viciar nesse “esporte”.

Um polêmico conceito mustachiano, emprestado do Estoicismo, é o “desconforto voluntário”. A ideia de se expor voluntariamente a situações desconfortáveis/desafiadoras pode parecer absurda para nossos paradigmas modernos “nutella”; até você começar a perceber que ao fazê-lo você está crescendo como pessoa, expandindo sua zona de conforto, ao mesmo tempo que elimina o “medo do desconforto/desconhecido” e amplia suas possibilidades de “aproveitar a vida”.

Priorizar a bicicleta como meio de transporte é um exemplo clássico dos benefícios do “desconforto voluntário”. Além de expandir sua zona de conforto e proporcionar uma maior conexão com o meio-ambiente e seu corpo, o torna mais forte (literalmente), saudável e rico. E, de quebra, você ainda passa a apreciar o conforto do seu carro na próxima vez que precisar usá-lo (conforto que antes passava despercebido).

Quanto mais conforto você precisar para ser feliz, mais ‘mestres’ você vai ter que servir.”

A ideia comum propagada pelos educadores financeiros, segundo MMM, é a de “poupar” como algo difícil, indesejável, uma espécie de “obrigação negativa”. Eles dizem que se fizermos o “sacrifício” de controlar nossos gastos diariamente, por anos, poupando 10% da nossa renda, poderemos nos aposentar aos 65 anos.

Como qualquer pessoa que já tentou alguma dieta restritiva sabe, esse tipo de “mentalidade financeira” não é sustentável no longo prazo.

O mustachianismo, porém, vê o ato de poupar como uma “consequência positiva”. Em outras palavras, um efeito colateral desejado, já que a maioria dos nossos gastos é um sinal de fraqueza e ineficiência. Ou seja, a maior parte dos produtos e serviços que “precisamos” comprar são para compensar o fato de que não conseguimos resolver o problema de forma mais inteligente.

MMM encoraja os seus seguidores a reorganizarem completamente suas vidas, tendo a eficiência em mente (trabalhar mais perto de casa ou morar mais perto do trabalho para poder caminhar ou pedalar pro trabalho, por exemplo). Essas pequenas mudanças terão como consequência indireta o aumento significativo na sua taxa de poupança (sem sofrimento); mas elas só são desejáveis porque sua vida também vai melhorar em todos os outros aspectos (o fato que você também vai enriquecer é apenas um bônus).

MMM diz que, mais importante do que o quanto você ganha, ou o próprio retorno dos seus investimentos, é a sua taxa de poupança. Ou seja, a diferença entre o seu custo de vida e sua renda. E o post abaixo explica com maestria o efeito mágico da taxa de poupança.

The Shockingly Simple Math Behind Early Retirement

Seguindo a linha da busca por eficiência, mustachianos tendem a investir de forma passiva, recorrente e automática através de Fundos de Índices ou ETFs extremamente diversificados e com taxa de administração baixa. Segundo MMM, adotando essa estratégia o seu retorno automaticamente estará entre os 10% melhores investidores, sem precisar fazer nenhum esforço extra para isso.

Se você quer aprender mais sobre as vantagens de investir dessa forma, seguem os dois livros indicados pelo próprio MMM na entrevista com Tim Ferris.

Como os mustachianos tendem a investir de forma passiva por meio de indexação, a maioria adota a regra dos 4% como métrica de quanto patrimônio precisam para atingir a independência financeira. Ou seja, 300 vezes o seu custo de vida mensal.

Após escrever esse artigo eu me dei conta que o mustachianismo é, na verdade, uma espécie de “Capitão Planeta” do movimento FIRE. E se você sabe de quem eu estou falando, você está ficando velho(a) querido(a) IFólogo(a)…😅

Mas e aí… você se identifica com o mustachianismo?

Acha que ele possui outros elementos não abordados aqui?

Deixe nos comentários!

Um abraço IFólogo(a)!


Siga nossas redes sociais para não perder nenhuma novidade!


Isenção de responsabilidade

O “IFologia Pop” disponibiliza gratuitamente informações que o autor acredita serem corretas. Entretanto, em nenhum momento o autor oferece conselho individualizado e as informações disponibilizadas aqui podem não ser adequadas ao seu perfil de investidor. O autor não é um profissional licenciado na área financeira, apenas um estudioso e entusiasta de assuntos relacionados à independência financeira (conheça mais sobre o autor aqui). Caso o leitor necessite assistência especializada sobre qualquer questão legal e/ou financeira, recomenda-se a consulta de um profissional. Esse blog não tem o intuito de servir como base para qualquer decisão financeira e nenhuma garantia é feita sobre a veracidade das informações aqui contidas. Resultado passado não é garantia de resultado futuro. Portanto, o autor especificamente se isenta de responsabilidade por qualquer consequência direta ou indireta do uso e aplicação de qualquer informação aqui contida.


Este post contém link(s) afiliado(s). Ao comprar qualquer produto pelo(s) link(s) acima, o “IFologia Pop” receberá uma pequena comissão sem nenhum custo adicional para você.

12 comentários em “O mustachianismo e o movimento FIRE”

  1. Olá IFP, bom dia

    Parabéns pelo artigo. Apesar de ser muito comentado na firesfera, eu não conhecia o blog do MMM. Vou ler os posts dele.

    Não me considero um Mustranchista (ainda), mas estou mas próximo do “Yukismo”.

    Abraços,

    1. Valeu VAR!
      Eu me identifico bastante com o mustachianismo, mas temos que valorizar os nossos blogueiros brasileiros tbm, né!?
      Tenho muito a aprender ainda sobre vida minimalista com a Yuka.
      Um abraço!

    2. Hahaha VAR, está indo na onda do marido, que fala que seguimos o Yukismo aqui em casa.

      IFP, muito bom esse post, exemplifica muito bem o estilo do MMM. Acho legal ele levar essa vida tranquila, cortar o próprio cabelo, usar a bike como transporte, ser adepto do Do It Yourself, que acaba virando um hobby. No final das contas, para essas pessoas, a economia de dinheiro acaba sendo uma consequência do estilo de vida, e não o objetivo principal.

      Beijos.

      1. Eu achei legal a referência que o seu marido fez no Boteco FIRE!
        Acho que o Yukismo tem potencial de ser a versão brasileira do Mustachianismo heim! hahaha…
        Um abraço Yuka!

  2. Olá! Sou leitor do MMM desde 2013, quando ainda nem tinha renda. Certamente muitas coisas dele estão presentes na minha estratégia.

    Parabéns pelo texto, ficou um resumo muito bom do blog original, trazendo algumas interpretações suas muito interessantes também.

    1. Fala Luiz!
      Eu conheci ele em 2019 e maratonei geral! Agora ele faz muito mais dinheiro com o blog do que fazia quando “trabalhava”! kkk
      Obrigado pela visita.
      Um abraço!

  3. Ótimo post! Conheci seu blog pela entrevista no BotecoFIRE e estou gostando bastante. Continue compartilhando. Grande abraço e boa jornada!

  4. Que delícia ler o seu blog.
    Estou eu aqui me divertindo com ele em pleno café da manhã, rss.
    Me descobri uma mustachiana nata! O que eu acho mais legal desse minimalismo é que não representa falta, ao contrário, é uma abundância de vida real. Tudo o que mais me faz feliz praticamente não custa nada (insignificante em relação a outros divertimentos) e ainda preserva a natureza! Voto por post semanal IFólogo! Obrigada por me apresentar o MMM, eu não conhecia. Abraço!

    1. Oi Dane!
      Comentários como esse é o que nos motiva a continuar com o blog (mesmo ele só dando despesa… rsrs)
      Quem sabe quando eu atingir a IF eu consiga postar toda semana! kkk…
      Fico feliz que se identificou com o MMM!
      Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.