Nossas finanças em 2020

Há quase quatro anos (março de 2017) eu finalmente entendi que a saída para “parar de continuar vendendo vida por dinheiro” era a independência financeira. Desde então, a família IFP tem trilhado uma jornada de muito aprendizado sobre IFologia Pop. Ou seja, o estudo da Independência Financeira para pessoas comuns. Conheça um pouco mais sobre o IFologia Pop aqui (IFP).

Eu comecei esse blog em 2020 com a ideia de abordar temas relacionados à independência financeira e registrar a jornada da família IFP rumo à independência financeira. Escrevi bem menos do que pretendia em 2020 (apenas 8 posts); mas a família IFP continua otimista com o desafio de atingir a independência financeira em 10 anos (2027), considerando o nosso custo de vida no Brasil. Acabamos optando em 2019 por morar nos Estados Unidos para otimizar nossa receita durante o período de acumulação de patrimônio (arbitragem geográfica). Mas essa é apenas uma das inúmeras estratégias que temos adotado para conseguir poupar/investir mais. Na medida que formos estudando e experimentando diferentes estratégias para ganhar mais, gastar menos e investir melhor, vamos registrando aqui.

Antes de mais nada, parabéns a você que sobreviveu a 2020! Dizer que 2020 foi bizarro é um eufemismo. 2020 será eternamente lembrado como o ano que muitos gostariam de esquecer. Mas, ironicamente, são justamente os anos mais bizarros que premiam os pacientes. Em outras palavras, pânico e volatilidade são amigos de quem faz uma boa gestão de risco, tem reserva de oportunidade/emergência e uma estratégia bem definida que o força a ser “ousado quando todos estão com medo e medroso quando todos estão ousados”.

A minha definição técnica de independência financeira é:

Ter patrimônio suficiente para gerar renda passiva que cubra nossas despesas no Brasil, onde pretendemos viver a maior parte do nosso período de desacumulação (aposentadoria).

Eu utilizo a regra dos 4% como referência de quanto patrimônio eu preciso, pois ela faz sentido para o meu perfil de investidor. Entretanto, cabe a você estudar e definir as métricas que fazem sentido pra sua realidade. Temos dois posts explicando todo o racional e a origem da regra dos 4% e como adaptar essa regra à sua realidade e torná-la ainda mais segura. Recomendo a leitura.

E, como já vimos anteriormente, a forma mais eficiente e replicável de atingir a independência financeira rápido é “aumentando a sua taxa de poupança (TP)”. Portanto, as duas métricas de performance que pretendo acompanhar de perto e sempre aumentar são:

Taxa de poupança (porcentagem do salário líquido poupada/investida); e

Patrimônio líquido (ativos menos passivos).

Desde que entendemos o poder da taxa de poupança, temos trabalhado para otimizar o ataque (renda familiar) e a defesa (despesas). E essa é a evolução da nossa taxa de poupança até agora:

Taxa de poupança de 2017 a 2020

Segundo a calculadora do site networthify.com, considerando o nosso patrimônio, taxa de poupança e despesas atuais (despesas nos EUA), atingiríamos a independência financeira em 19,8 anos.

“Mas IFP, como você vai atingir a independência financeira em 2027 se ainda tem 19,8 anos pela frente?”

Boa pergunta.

Temos muito trabalho pela frente, eu sei. Mas essa calculadora assume que minha taxa de poupança permanecerá a mesma (pretendemos continuar aumentando nossa TP).

Além disso, o patrimônio necessário para atingir a independência financeira está diretamente relacionado ao seu custo de vida. Segundo a regra dos 4%, você precisa de 300 vezes o seu custo de vida mensal. O nosso custo de vida é significativamente maior aqui nos EUA do que seria no Brasil. Portanto, atingiremos a independência financeira no Brasil em muito menos tempo. Ainda não sabemos se vamos voltar para o Brasil assim que atingirmos a independência financeira, ou se ficaremos por aqui mais um tempo. Mas para nós o mais importante é “ter a opção” de voltar quando quisermos.

Entretanto, esse site nos mostra que, principalmente se decidirmos ficar por aqui, precisamos continuar trabalhando arduamente na nossa taxa de poupança. Ou seja, aumentar salário e reduzir despesas.

Essa calculadora é uma excelente ferramenta para definir em quantos anos você vai atingir a independência financeira, considerando seu patrimônio, taxa de poupança e custo de vida atuais. Mas é um verdadeiro tapa na cara de quem acha que uma taxa de poupança de 10% é suficiente para se aposentar cedo. Boa sorte nos seus 51,4 anos de trabalho…

Em 2017 eu entendi que eu precisava construir um patrimônio que gerasse renda passiva suficiente para cobrir minhas despesas. Contudo, em março de 2017, todo o nosso patrimônio se resumia a apenas um sofrido Spacefox 2007 (quebrando, bebendo e se depreciando na velocidade da luz). 100% do nosso patrimônio estava alocado em um “ativo” que só dava despesa e se desvalorizava todo ano! No ritmo que vínhamos levando até os 30, estávamos fadados a depender exclusivamente de previdência na velhice.

Entretanto, de lá para cá passamos a ser mais intencionais e inteligentes com nossas finanças. E essa é a evolução do nosso patrimônio líquido até agora:

Graças à volatilidade atípica desse ano, rebalanceamento oportuno, aumento da nossa taxa de poupança e ao aumento da nossa exposição ao dólar (que explodiu em 2020), quase triplicamos o nosso patrimônio em apenas um ano. Segundo a regra dos 4%, já poderíamos contar com uma renda passiva mensal vitalícia de praticamente um salário mínimo no Brasil.

Eu sei que esse ainda é um patrimônio bem humilde pra quem não foi lerdo como nós e “acordou” antes dos 30. Mas atingir uma renda passiva de um salário mínimo aos 33 anos com menos de 4 anos de aportes mensais é uma excelente conquista, para simples plebeus como nós. Principalmente quando consideramos que mais de 70% dos aposentados pelo INSS recebem um salário mínimo aos 65 anos após uma vida inteira de trabalho.

No fim de março de 2020 minha esposa passou a trabalhar em casa, eu fui demitido e nossa filha parou de ir à escola (tudo por causa do COVID-19).

Ou seja, nossa renda familiar diminuiu. E o que aconteceu com nosso patrimônio?

CRESCEU 190%!

“Mas como isso é possível IFP? Você comprou muito Bitcoin ou alguma outra ação que explodiu em 2020?

Não. Na verdade, nossos investimentos estão cada vez mais “feijão com arroz”. A nossa alocação percentual para cada classe de ativos estava mais ou menos assim em 31/12/2020:

Ainda estamos com mais caixa do que eu gostaria porque em breve pretendemos comprar uma casa que nos permita “hackear” nosso custo com moradia. Atualmente gastamos $ 1125,00 com aluguel de um pequeno apartamento, o que equivale a R$ 6075,00 no exato momento que escrevi esse parágrafo. Ou seja, viveríamos tranquilamente no Brasil só com o valor que gastamos com aluguel aqui. Precisamos otimizar nossos custos com moradia urgente!

Na verdade, os dois principais motivos do crescimento patrimonial expressivo de 2020 foram:

1. Reduzimos nossas despesas!

Passamos a gastar menos de 1 tanque de gasolina/mês (gastávamos 8 antes); vendemos nosso querido “Matusalém” (Hyundai Elantra 1999); agora temos só um carro que praticamente não usamos; passei a usar a bike pra tudo; paramos com restaurantes e shoppings e passamos a priorizar cozinhar em casa, piqueniques em parques, trilhas e outras atividades gratuitas.

Essas pequenas mudanças simplesmente destruíram nosso “custo de vida” em relação ao que a gente tinha antes da pandemia. Em outras palavras, aumentamos nossa taxa de poupança apenas otimizando a “defesa” em 2020, sem comprometer nossa qualidade de vida.

2. Volatilidade é amiga de quem faz aportes periódicos e tem reserva de oportunidade!

Aumentamos nossos aportes periódicos a partir de março. Outra questão que nos ajudou muito a manter a calma em março foi ter uma porcentagem alocada em renda fixa. O método do rebalanceamento nos “força” a comprar mais renda variável nos períodos de pânico e a vender/comprar menos nos períodos de euforia.

Defina uma alocação percentual entre renda fixa e variável que seja confortável para você; e estabeleça seus critérios de rebalanceamento antes do próximo “pânico”!

Dica: segundo os estudos que deram origem à regra dos 4%, 75% em renda variável e 25% em renda fixa é a alocação percentual que teve a maior taxa de sucesso histórica.

Enfim, automatizar seus aportes e sua estratégia de rebalanceamento é a saída para não sucumbir à inflação de estilo de vida e não seguir a manada nos momentos de pânico.

Taxa de poupança: 40%

Patrimônio líquido: R$ 311.962,60

Potencial de renda passiva mensal, segundo a regra dos 4%: R$ 1.039,88

Já conseguiríamos viver bem no Brasil com R$ 1.039,88 por mês?

Não!

Então, segue o jogo e foco no longo prazo!

Um abraço IFólogo(a)!


Siga nossas redes sociais para não perder nenhuma novidade!


Isenção de responsabilidade

O ifologiapop.com disponibiliza gratuitamente informações que o autor acredita serem corretas. Entretanto, em nenhum momento o autor oferece conselho individualizado e as informações disponibilizadas aqui podem não ser adequadas ao seu perfil de investidor. O autor não é um profissional licenciado na área financeira; apenas um estudioso e entusiasta de assuntos relacionados à independência financeira (conheça mais sobre o autor aqui). Caso o leitor necessite assistência especializada sobre qualquer questão legal e/ou financeira, recomenda-se a consulta de um profissional. Esse blog não tem o intuito de servir como base para qualquer decisão financeira e nenhuma garantia é feita sobre a veracidade das informações aqui contidas. Resultado passado não é garantia de resultado futuro. Portanto, o autor especificamente se isenta de responsabilidade por qualquer consequência direta ou indireta do uso e aplicação de qualquer informação aqui contida.

2 comentários em “Nossas finanças em 2020”

    1. Oi Dane!

      Estamos bem animados com o nosso progresso! Só lembrando que a maior parte dessa evolução é proveniente de aportes (nossa taxa de poupança) e não apenas de retorno de investimentos (embora a taxa de retorno também tenha sido significativa).
      Não quero passar a impressão de que é possível ter retornos espetaculares com consistência, somente dos investimentos.

      É importante sempre trabalhar nos três pilares da IF:
      1. Aumentar receitas
      2. Diminuir despesas
      3. Investir com sabedoria

      Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.